O provinciano – Carlos Eduardo Zavaleta

Conto

Deslumbrou-se pelo tamanho e pelas costumes desconhecidas da cidade capital de seu país. As pessoas não caminhavam, mas andavam de automóveis, motocicletas e aviões; somente comiam em salas de jantar públicas e pitorescas; e sonhavam  sem dormir, sentadas em vastos cinemas penumbrosos, onde o sono comum transcorria ao fundo, entre imagens musicais e luzes de cores.

Ao cair da noite, passeando pelas ruas, viu que as pessoas abriam por turnos as portas de seus pequenos e idênticos departamentos e que um membro de cada família saia, muito responsável, para colocar nos umbrais um embrulho bem envolto e ainda mais, às vezes, brilhante e chamativo. Teve tempo de escolher o embrulho mais pulcro e melhor feito. Só faltavam umas cintas para converti-lo num presente. Levou-o a sua casa para averiguar que conteria essa mostra das novas e belas costumes da grande cidade. Abriu-o, e debaixo do pulcro envoltório encontrou o lixo mais fétido e nauseabundo que um homem poderia imaginar.

Livro:

Zavaleta, C. (2019). El provinciano. Pueblo azul: Edición conmemorativa. Fondo Editorial ACELA, Huarás. Fondo Editorial ACELA, Huarás.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. “O provinciano”, um conto traduzido por Pablo Alejos Flores.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s