Desde o cativeiro – Federico Barreto

Poema


Ouçam minha voz e que não lhes assombre:
o bardo que nestes tempos que espantam
chora desdéns ou cantadas passa,
não merece ser bardo nem ser homem. 
Quem queira ter glória e renome;
quem queira o mundo estiver em sua palma,
que cante... se sua pátria se agiganta;
que chore... se mancham seu alto nome. 
Estas ideias e princípios sãos
viverão de minha mente no profundo,
enquanto tenha uma lira entre as mãos. 
Eu quero que ao ouvir meu eco fecundo
tremam os néscios, fujam os tiranos,
e o Peru esmague com seu peso o mundo. 

– Federico Barreto

Traduzido por Pablo Alejos Flores

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. “Desde o cativeiro”, um poema traduzido por Pablo Alejos Flores.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Salir /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Salir /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Salir /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Salir /  Cambiar )

Conectando a %s